quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Estado devolve escolas ao município de Imperatriz

 “Desenvolvimento na educação não tem tempo específico”, afirma Madeira

Uma platéia formada em sua maioria por professores e gestores escolares lotou as dependências do auditório do Shopping Imperatriz para assistir a solenidade de assinatura de um convênio celebrado entre o Governo do Estado e a Prefeitura de Imperatriz. Pelos termos do referido convênio, o Governo do Estado, por intermédio da Secretaria de Estado de Educação (Seduc), devolve sete escolas do ensino fundamental para o Município.
 
As escolas que agora voltam à condição de municipais são a Rui Barbosa, Amazônia, Francisco Alves, Tancredo Neves, Adelina Lopes, São José do Egito e Santa Rita de Cássia. Somente a Escola Dorgival Pinheiro de Sousa, que há alguns anos atrás foi repassada pela Prefeitura ao Estado, permanece na mesma condição de escola de ensino médio, por sinal uma das mais importantes de Imperatriz.

O secretário de Estado da Educação, João Bernardo Bringel, deixou claro que o município receberá os alunos, “mas o Estado se compromete com os recursos necessários para manutenção desses alunos”. Bringel destacou a parceria do município em ceder 12 salas de aulas da Escola Paulo Freire para o ensino médio, “razão porque deixo aqui os meus agradecimentos ao prefeito Madeira pelas parcerias”.

O  prefeito Sebastião Madeira elogiou a atitude da governadora em devolver as escolas se comprometendo com os recursos referentes a cada aluno matriculado.

“Isso acontece entre chefes de executivos de partidos adversários, mas que mantém um relacionamento institucional e de respeito”, disse Madeira, complementando que “justiça seja feita”.
 
Madeira fez menção elogiosa ao chefe da Casa Civil, Luis Fernando, que o recebeu para lhe apresentar o projeto da escola em tempo integral, que ele pretende usar em Imperatriz. 

“Recebi críticas de adversários por querer construir uma escola como essa que vai elevar a qualidade de ensino, os quais comentaram que somente agora é que quero construir uma escola como essa”, observou Madeira, complementando que “o desenvolvimento na educação não tem tempo específico, todo tempo é tempo”.

Nenhum comentário: